Blog ONGs apostam na inovação de serviços 06 novembro 2017

Quando a economia do país não vai muito bem, o mercado busca inovação para driblar os desafios e manter a sua sustentabilidade financeira. Com as ONGs não é diferente. Afinal, com a redução das duas fontes de recursos, o terceiro setor precisa se desdobrar para manter suas atividades.

Uma pesquisa produzida pela Ashoka, pelo CEATS ­USP e pelo ICE, revela que há uma tendência no terceiro setor, de novos formatos organizacionais híbridos, que além de buscar a criação de um mundo melhor para todos, também visa gerar recursos financeiros para que as ONGs possam manter ampliar suas atividades. E para isso, a pesquisa identificou quatro caminhos.

Mudança no modelo de atuação:

Um exemplo seria o Instituto de Socioeconomia Solidária (ISES), que foi criado para fomentar negócios de base comunitária na periferia de São Paulo, mas atualmente trabalha como provedor de soluções socioambientais, com uma lógica de ação B2B – Business to Business.

Prestação de serviços:

Este modelo foi utilizado pelo Instituto de Pesquisas Ecológicas, o IPÊ, que mantém uma unidade de negócios sustentáveis com uma equipe independente, com o objetivo de garantir a sustentabilidade do instituto ao longo prazo.

Criação de unidades de negócios:

Como exemplo há a Gastromotiva, que utiliza seu espaço de formação profissional e empregabilidade de jovens na área da gastronomia para gerar renda para a organização, através da realização de almoços para executivos e eventos corporativos.

Criação de uma empresa:

Como fez o Centro de Integração de Educação e Saúde (CIES), ao criar a Fleximedical, que é uma empresa responsável pela construção e logística de unidades móveis de saúde, enquanto o CIES foca na operacionalização dos atendimentos à população.

O processo de implementação desses modelos tem alguns desafios. É preciso criar um planejamento consistente e selecionar equipes com perfis híbridos, capazes de criar produtos e serviços para o mercado, gerando recursos financeiros, sem perder o foco social. Afinal, a organização não pode perder sua identidade e seus propósitos.

Mas, com muito planejamento e organização, a tendência do modelo de negócio híbrido pode ser uma forma de garantir a inovação e a sustentabilidade financeira do terceiro setor, expandindo suas atividades e mostrando ao mercado como atuar com responsabilidade socioambiental. Quer contar com uma assessoria contábil segura e eficiente para sua ONG? Entre em contato com a gente!

Destaque em Blog